Pular para o conteúdo principal

Pequenas notas

Oi, tudo bem?

Focando na ideia de dar valor às pequenas coisas para ver se eu melhoro o meu psicológico, vamos a pequena conquista de hoje: a Neguinha andou de carro comigo.

É assim: ela foi adotada em 8 de junho desse ano e a madrinha dela - que foi quem a encontrou à beira da estrada - disse que ela tinha muito medo de carro, provavelmente porque ela foi abandonada por um. Ela me contou que teve um cara que entrou em contato com ela para saber sobre a cachorrinha e não retornou mais às ligações. Olhando o facebook do cidadão, ela viu uma postagem de algumas semanas antes doando uma cachorrinha de pequeno porte que batia com as características da minha filha (mas a postagem não tinha fotos para comprovar). Deduzimos que o cidadão não encontrou um novo dono e resolveu se livrar da cachorrinha na beira da estrada, na saída da cidade. #semcoracao #genteruim

Com esse trauma de infância, o veterinário dela nos orientou a não forçar a situação: então, não saímos muito com ela de carro. A pé, a coisa não é muito diferente: é só colocar a coleira e sair com ela na calçada e ela já treme toda e quase tem um infarto. A situação piorou um dia atrás aí que eu saí com ela e tentei dar uma volta na quadra. Passando perto de um portão, o cachorro deu um latido forte do lado de dentro e ela deu um pulo de susto! O tranco soltou a coleira do corpinho dela e ela disparou rua abaixo. Graças a Deus, eu ajoelhei e gritei o nome dela e ela olhou pra trás e voltou correndo desesperada pro meu colo. Quando a agarrei, ela arranhou meu pescoço e bateu no meu queixo de tanto medo, coitadinha. Depois desse dia, eu desisti totalmente de tentar sair com ela na rua: ao invés de acalmá-la, ela voltava mais estressada para casa.

Assim, seguimos nossa vida com ela correndo bastante pelo nosso quintal, fazendo muito exercício com as bolinhas e os brinquedos que demos para ela - dos quais, os de pelúcia não sobrevivem mais que alguns minutos, porque ela adorou fazer anatomia dos bonequinhos e abrir todos e arrancar toda espuma de dentro kkk #vocacaoparamedica

Hoje, eu tinha que levá-la para tomar banho e tosar e arrisquei levá-la dentro do Toddynho porque o pet shop é duas quadras acima de casa. Coloquei ela na coleira e abri a garagem (não tenho o hábito de deixar ela na frente de casa porque nosso portão é automático e tenho medo que ela escape, além de evitar sujeirinhas indesejáveis bem na frente da sala né?!) e ela foi meio receosa até o carro. Incentivei-a a entrar no Toddynho e ela foi meio ressabiada, orelhinha murcha, rabinho no meio das pernas. Amarrei a cordinha da coleira no apoio de braço da porta do passageiro e fomos bem devargazinho. E não é que deu certo?! Ela foi chorando um pouco, mas se comportou melhor do que o esperado e consegui levá-la e buscá-la sem maiores problemas.

Ou quase.

Primeiro, porque a moça tentou de novo cortar as unhas dela - da outra vez, ela tinha cortado demais e me avisou. Dessa vez, ela não conseguiu cortar tudo e até me pediu desculpas, mas não me disse na hora que tinha tentado cortar das patinhas de trás e tinha cortado demais. Quase tive um piripaque quando vi as manchas de sangue no piso de casa quando soltei ela no quintal. Liguei para o veterinário que disse que não era um caso grave e me orientou a fazer um curativo com gaze e pomada cicatrizante que ia parar o sangue em até uma hora. O garoto tirou sarro da minha cara, dizendo que sou mãe superprotetora e que ainda bem que não teremos filhos gente porque se eu já sou assim com uma cachorrinha, imagina com uma criança! Admito: até chorei de preocupação.

Segundo porque voltando para casa, teve um pequeno acidente com o vizinho da esquina que acertou um motoqueiro. Na hora que fui fazer a curva, tinha a caminhonete do vizinho, a moto do moço, mais duas motos ajudando e uma perua kombi cheia de gente no meio do cruzamento. Eu tentei atravessar o cruzamento para guardar o carro e a cachorrinha e voltar para ver se o vizinho ou o moço da moto precisavam de alguma coisa: não dava para fazer nada com a filha dentro do carro. Só que a tal kombi estava meio que andando, acredito que porque o motorista estava prestando atenção no acidente e não estava freiando 100%. Eu buzinei pedindo a vez e o cara da kombi me deixou passar. Só que na hora que eu estava guardando o carro, o tal cara da kombi buzinou e sinalizou falando que eu precisava ter mais coração. Oi? Eu só pedi a vez para passar e fui acusada de ser fria? Para governo daquele mané, eu guardei meu carro e minha cachorra e fui lá ver no que eu podia ajudar. Só que o vizinho é político da cidade e, lógico, não queria ajuda de ninguém e já estava cuidando de tudo sozinho mesmo. Vai que perde um voto, né?!

Com isso e com o sangue da patinha da Neguinha, meu almoço foi meio azedo e a comida ficou ruim e caiu feito cimento no estômago.

Ainda bem que hoje é dia de branco e eu vou trabalhar.

Comentários

Paula Fuzeto disse…
Obrigada pela visita no blog.
Adorei conhecer um pouco da história da sua cachorrinha.
Bj
www.blogchegadebagunca.com.br
Ana Nana disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Kézia Garcia disse…
Tadinha dela!

http://www.eutenhomiopia.blogspot.com
Hellz. disse…
OOOOI NANA

que linda a sua atitude de adotar a cachorrinha <3 <3 <3 bom saber que ainda tem gente legal no mundo e que se importa com outras vidas. Isso dá um calorzinho no coração.

Espero que a patinha da Neguinha melhore :(

beijo
beinghellz.com
Ana Nana disse…
Eu que agradeço por passar por aqui.
Ana Nana disse…
Mas graças a Deus, ela já está bem melhor!
Ana Nana disse…
Obrigada pelo carinho e pela visita. A patinha dela já está bem melhor.
Carol Daixum disse…
Tadinha dela, mas ainda bem que agora ela conhece o carinho e amor de perto. ♥ Também adotei uma esse com a minha mãe e minha irmã e hoje somos muito grata, mesmo com o perrengue. E logo logo ela vai melhorar. =) A Jeanninha não deixa de jeito nenhum cortar a unha dela no banho. A única que conseguiu até hoje, mas com muito cuidado, foi a veterinária. E pensa pelo lado bom do dia, ela conseguiu andar de carro com menos medo. ^^

Beijos, Carol
www.pequenajornalista.com
Fernanda disse…
Oi, Nana!

Tadinha da cachorrinha, mas fico feliz porque você conseguiu levá-la ao pet shop de carro. Já é um grande avanço!

Beijinhos
Emanuelly Suhett disse…
Deve doer saber que sua filhinha foi maltratada para ter esses traumas né? Meu auau é muito importante para mim, ele é um beagle bem orelhudo e bagunceiro, adora descartáveis e é super dócil, não imagino minha vida sem ele rs.
Adorei conhecer mais sobre sua neguinha, estou seguindo para acompanhar.
Um beijo.

www.esteticando-se.com
Ana Nana disse…
Gracas a Deus, a patinha já está melhor! A próxima manicure vai ser no veterinário. Obrigada pelo carinho e pela visita.
Ana Nana disse…
E que avanço! Aod poucos, a gente socializa ela ;)
Obrigada pelo carinho e pela visita.
Ana Nana disse…
Com ctza, eu nem gosto de pensar nas coisas que ela deve ter passado. E me dói muito ver outras histórias parecidas que não tem o mesmo final feliz.
Obrigada pelo carinho e pela visita. Estou te seguindo ;)

Postagens mais visitadas deste blog

Firme e forte e outras estórias

Oi, tudo bem?
Gostou do título do post? Firme e forte. Tudo bem que quase ninguém deu a mínima para o meu post anterior (só teve um comentário), mas eu continuo na vibe de melhorar a minha saúde. #chateada
Hoje, particularmente, estou mais disposta e isso graças à Neguinha. Ela deu de querer brincar de jogar a bolinha toda vez que eu apareço na porta da cozinha. Só que agora não é só jogar a bolinha: é correr pelo quintal atrás dela para pegar a bolinha para jogar de novo. Gastei hoje uns 10 minutos assim e já fiquei com a língua de fora, igual a ela rsrsrs.
A minha meta de caminhada+dieta foi interrompida semana passada: comecei a semana super bem, comendo certinho e fazendo exercícios todos os dias. Mas, na quarta passada, o garoto bateu o carro! :(
Ele estava descendo uma avenida e o carro da frente freou bruscamente para um outro carro, que fez a conversão sem ligar a seta, passar. Conclusão: o garoto bateu atrás do carro que freou! O carro que virou sem seta foi embora como se não ti…

Retrô 2016 - O ano!

Oi, tudo bem?
Último dia do ano, não podia faltar né?! Retrô 2016!!! "O" ano! O ano que virei gente grande, casei, virei "mãe" e nem atualizei tanto o blog porque a vida foi bem movimentada.
Mas ainda temos alguns registros aqui e lá vamos nós para relembrar:
1) Comecei o ano na igreja, com um baita crise de choro por saber que era minha última virada solteira. Tivemos a saga da #operacaocasamento com todos os preparativos descritos a cada cinco dias. E claro, com direito à um spin-off  sobre o presente misterioso.
2) Se 2016 foi "O" ano, Fevereiro foi "O" mês: mês do casamento, da lua de mel, do início da vida de casada.
3) Eu já estava com "tlinta e tlês" anos e já era uma senhora casada, sofrendo para aprender administrar tanta novidade junto. 
4) Abril foi o mês dos "primeiros": primeira tentativa de adotar uma "filha", primeiro acidente doméstico, primeira intoxicação sem ajuda de mammy. Ufa, eu sobrevivi!
5) Maio foi…

Thanksgiving

Oi, tudo bem?
"Rendei graças ao Senhor porque Ele é bom, porque a Sua misericórdia dura para sempre" Salmo 118:1
Hoje é Dia de Ações de Graça. Infelizmente, não temos o hábito de celebrar a data aqui no Brasil - apesar de termos copiado a Black Friday.
Mas eu tenho o costume de celebrar a data por ser uma tradição dos cristãos protestantes desde muito tempo atrás.
Antigamente, era o dia em que os colonos agradeciam a Deus pelo ano de colheita e compartilhavam com os mais pobres o que tinha restado da safra.
Hoje, aqui no Brasil, o dia serve mais como um memorial para olharmos pra trás e agradecermos a Deus por tudo. O simples fato de poder agradecer já é um grande milagre; afinal, se você está vivo para agradecer, está bem melhor que muita gente que não chegou até a data de hoje para ser grato. #filosofando.
Eu tenho muito a agradecer este ano.
1) Por ter corrido tudo bem com os preparativos do casamento e por todos os livramentos e providências divinas para resolver tudo que aconte…